quarta-feira, 16 de março de 2011

Hamelin no Violin Hiki

http://i236.photobucket.com/albums/ff289/diegoshark/blogsnes/HamelinnoViolinHiki0000.jpg
Fabricante: Enix
Gênero: Aventura
/Puzzle
Ano de lançamento: 1995

http://i236.photobucket.com/albums/ff289/diegoshark/blogsnes/HamelinnoViolinHiki0001.jpghttp://i236.photobucket.com/albums/ff289/diegoshark/blogsnes/HamelinnoViolinHiki0002.jpg

Algumas vezes nos deparamos com agradáveis surpresas ao fuçar em diretórios de roms com milhares delas disponíveis. Hoje em dia é bem prático baixar pacotes completos de jogos de Super Nes, Mega Drive ou qualquer outro sistema, tendo em pouco tempo todo o acervo de jogos e ainda alguns que jamais saíram deste lado do planeta.

Em alguns casos, até mesmo jogos que o sistema nem chegou a ver, como protótipos e demos. Enfim, na minha lista de roms de SNES, tem um jogo que sempre me intrigou (entre vários) mas eu nunca dei atenção suficiente. Este jogo é Hamelin no Violin Hiki, um jogo de plataformas repleto de puzzles pro Super Nintendo.

Trata-se, antes de mais nada, de um jogo baseado num anime francês, com o nome de Le Violenist de Hamelin. A história do anime gira em torno da luta de Flute (personagem principal) contra demônios após a queda da rainha de seu reino. Para isso, conta com a ajuda de Hamel, especialista em usar a música como arma contra os inimigos.

No game, tudo começa com Flute sendo atacada por monstros e Hamel dando conta do recado e salvando a mocinha. Após isso, ambos partem em busca de respostas pra toda essa confusão. O enredo é bacana e é contado conforme o avanço do jogo, como se fosse um RPG de ação. Existem lojas na cidade, onde se compra desde itens pra repor energia até mais tempo pra fases entre outros trecos.

Controlamos Hamel, o tal violinista que usa um violino pra atacar (não diga). Seu violino dispara notas musicais capazes de destruir todo tipo de inimigo. Além dele, temos uma ave que é praticamente um parceiro eterno do protagonista e a Flute, a garota que é uma mão na roda no jogo (jajá falarei disso).

Os gráficos do jogo são lindos, tudo é muito colorido, muito bem desenhado e as fases possuem um design limpo e muito criativo.

Aliás, o jogo brilha em todos os quesitos, mas nos gráficos moram a beleza maior. Tudo, desde menus, mapas e inimigos, parecem que foram feito com todo capricho do mundo, o que me faz estranhar o porque desse jogo nunca ter sido lançado por essas bandas...

As músicas são todas muito bacanas, indo desde temas mais simples até melodias complexas, mudando de acordo com o ambiente de jogo. Os efeitos sonoros não ficam atrás e cumprem bem seu papel.

Enfim, falemos então da mecânica do jogo. Flute é a peça central disso tudo. Enquanto Hamel cuida da parte pesada, Flute é usada como cérebro do jogo. O que ocorre é que Flute é capaz de se transformar em um sem número de coisas, indo desde sapos que pulam mais alto até robôs, carrinhos, uma EMA que anda sobre espinhos e mais um monte deles que nem cheguei a conhecer.

Adicionando isso ao belo design das fases e aos puzzles, temos um jogo com muita ênfase na exploração e raciocínio antes da força bruta. Claro, Hamel ataca muito bem com seu violino, pula, plana (apertando pra cima após saltar), ou seja, faz todas as peripécias de qualquer personagem de um jogo de plataforma. Mas, sem Flute, o jogo seria só mais um no imenso mar de jogos de plataforma de qualidade pro SNES.

Ambos tem energia, o que acarreta ao jogador programar muito bem cada passo. Flute não morre, mas começa a perder o dinheiro caso sua energia acabe. Para repor, existem frutas espalhadas pelas fases. Flute também aceita os comandos de seguir ou parar, fundamentais para resolver alguns puzzles. Aliás, o jogo difere-se de forma brutal de qualquer outro jogo no estilo que eu tenha jogado.

Bom, pra quem ainda não conhece, recomendo que corra atrás do jogo, existem as versões original japonesa, traduzida pro inglês e até uma tradução pro português, que ficou bem bacana. Recomendo à todos os amantes de Wonder Boy in Monster World e similares, pois ele lembra bastante essa série.




Créditos Review: Cosmão

Download (rom em Português) : Clique Aqui!

3 comentários:

  1. Gosto de análises de jogos que não vinheram a tona mundialmente, mas que são ótimos, gostei da análise já vou jogar esse jogo aqui, tem como fazer análise do terranigma?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Terranigma já foi postado,segue o link do mesmo:
      http://snes-forever.blogspot.com/2010/03/terranigma.html

      Excluir
  2. Game bom esse! Pena que é desconhecido, o que torna o fato de descobri-lo uma característica do jogo e um ótimo motivo para joga-lo, assim com Cave Story.

    ResponderExcluir

Lembrando que as suas visitas e agradecimentos são o nosso incentivo, ajude-nos a divulgar o blog... A sua ajuda é muito importante para nós!! E não se esqueça de add nosso blog aos seus favoritos!